“Eu disse a ideia, tem que ter isso aí, para beneficiar o pescador”: tradições, memórias de trabalho e vivências de marisqueiras e pescadores artesanais em Ilhéus, BA, 1960-2008.

Luiz Henrique dos Santos Blume

Resumo


Este artigo trata das lutas por tradições, memórias de trabalho e vivências de pescadores artesanais e marisqueiras em Ilhéus, Bahia, no período de 1960 a 2008. A pesca artesanal está sendo pressionada pela degradação ambiental, pela sobrepesca realizada pelos “barcos de arrasto” e o aumento da quantidade de trabalhadores desempregados que também estão partindo para a mariscagem como forma de sobrevivência. Para enfrentar estas pressões, as marisqueiras em Ilhéus criaram duas associações: a – Associação de Pescadores e Marisqueiras do São Miguel- ASPEMAR, e a Associação de Marisqueiras do Alto do Mambape - AMMA . Criadas entre 2004 e 2008, representam a força e a luta dessas mulheres na defesa de seus modos artesanais de trabalho.

Palavras-chave


marisqueiras; trabalhadoras da pesca; memórias;

Texto completo: PDF

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .



ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE HISTÓRIA ORAL
www.historiaoral.org.br